terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Psicóloga, a esposa lutadora

Uma amiga e leitora do nosso blog escreveu pra nós contando a sua história, como conheceu seu Dr., como vivem, e como é prazeroso e ao mesmo tempo difícil ser esposa de médico. O que acham? Conte você também a sua história.

Codinome Psipauli


"Oi Amanda!
Bom, quero contar um pouquinho sobre a minha história... deixa eu ver se consigo me expressar tão bem quanto vc...
Conheci meu marido em 1999, eu tinha 16 anos e ele 20 anos, ele cursava Ed. Física e eu estava cursando o ensino médio... Terminei e precisava fazer faculdade, escolhi a Psicologia, na época meu marido, que era meu namorado, se formou e prestou vestibular para Fisioterapia na mesma cidade onde eu estava... no inicio não morávamos juntos, mas desde o dia em que nos conhecemos estávamos morando sem nossos pais, então praticamente não nos desgrudávamos. Como na faculdade a nossa relação amadureceu, depois de alguns anos achamos melhor morar juntos, mas ainda éramos sustentados por nossos queridos e abençoados pais. Depois de formados fomos morar na cidade natal do meu marido, onde mora a família inteira dele. Finalmente casamos! Na igreja com festinha e tudo... foi em 2007!
Demorou, mas conseguimos encontrar trabalho, o meu trabalho era o que eu tinha pedido a Deus, trabalhava 13 a 16 horas semanais, e ganhava razoavelmente bem, porém meu marido estava tanto na área da Ed. Física como na Fisioterapia, trabalhando para o município, ou seja, era o tal cargo de comissionado, digamos que politicamente arriscado, porque varias vezes aconteceu de ser demitido e depois de um tempo contratado e assim seguíamos a vida...
Mas um pouquinho antes da gente se casar ele começou a pensar sobre a hipótese de cursar a Medicina porque quando ele começou a trabalhar na área dele, ele percebeu que os médicos eram supervalorizados, respeitados e além do que ganhavam muito bem, e foi percebendo o quanto era difícil conquistar o espaço que queria na profissão em que estava. Apoiei totalmente a sua decisão, começamos a pensar em ir para Bolivia, minha mãe ficou quase louca (hihi)... Então falei pra ele que estudasse bastante e prestasse alguns vestibulares... na mesma época minha cunhada (irmã dele) estava no ensino médio e pensando em cursar também medicina...ele estudou muito prestou alguns vestibulares durante uns 2 anos...e ficou perto, mas seria difícil este sonho. No decorrer desde ano decidimos ser pais, então este sonho da medicina seria na nossa cabeça, impossível. Fiquei grávida, nosso filho nasceu em 2008, mas mesmo assim incentivava-o na hora de fazer os vestibulares quando minha cunhada, seguia enfrentando esta luta. Então no ano de 2009, o cargo que ele estava fazia com que ele se sentisse inútil, começou a estudar durante o expediente, já que tinha tempo suficiente, mas tinha que cumprir hora. E no final desde ano de 2009, para a surpresa de todos, ele passou. No momento ficamos todos felizes, minha cunhada que estava no seu primeiro ano de cursinho não conseguiu passar. Nosso filho estava com 1a e 8 meses.
Começou o desespero, como iríamos ficar tão longe um do outro, nosso amor, o fruto do nosso amor, perder de ver ele crescendo e tal... Mas e o meu trabalho, minha carreira, nossa casa, nossas coisinhas... e seria sua 3 (terceira) faculdade, é terceira. Meu Deus, e quem pagaria o curso? Já que ele é tão caro, apesar dele ter passado em uma das faculdades que é mais barata, graças a Deus.
Fizemos dias de contas, planos e possíveis fórmulas de como conseguiríamos esse sonho de se formar em Medicina. No inicio eu permaneceria em nossa cidade com o nosso filho, mas aí começaram a surgir os medos, como por exemplo, vida de faculdade de novo, não ver o filho crescendo, e a saudade como ia ficar... seriam 550 km de distância.
No final das contas, fizemos a matrícula e o pai dele ajudou no inicio, e nosso ultimo pedido a Deus era conseguir o financiamento estudantil, mais um milagre em nossas vidas, que agradecemos até hoje, ele conseguiu financiamento 100%, conseguimos aluguel e planejar nossas vidas até o final do curso. Nosso filho está com 3 anos e 7 meses, nossa família completa e temos base e sentimos um no outro um PORTO SEGURO. Hoje meu futuro Dr. está indo para o 3 ano da faculdade e estamos felizes, minha cunhada conseguiu passar e está indo para o 2 ano e mora com a gente. Minha vida é completa e me sinto realizada com o que estou me propondo a fazer, claro que surgem momentos difíceis, dúvidas medos e obstáculos que temos que enfrentar, mas vamos deixar para comentar nas próximas vezes."

4 comentários:

Juliana Stein disse...

Gostei muito do blog!
Parabéns!!!

Muita saúde e bom trabalho!
bjs

Anônimo disse...

Esse depoimento só aumentou a minha esperança em lutar por aquilo que sempre quis: ser médica.... e por coincidência também sou formada em Ed. Física e também estou lutando.... Obrigada e sucesso à vocês!!!

Anônimo disse...

Nossa sua vida é muito parecida com a minha...1ºtive meu filho que hoje tem 12 anos, depois casamos e ai que ele decidiu ser medico.. Nossa que vida é essa.

Tatiane Valença. disse...

Olá! Quero parabeniza-la pela blog, adorei! Estou namorando um Médico, e a partir da semana que vem seremos casados! Ele é Ginecologista e Médico da Família, trabalha o dia todo, mas se a noite acontece alguma intercorrência, ele tem que sair correndo..rs, e é justamente nessa questão que preciso me adaptar! Bjs meninas.